Paraná Imprensa

Brasil é segundo no ranking de cirurgias bariátricas no mundo

Brasil é segundo no ranking de cirurgias bariátricas no mundo

Brasil é segundo no ranking de cirurgias bariátricas no mundo
junho 14
17:27 2017

Dr. Giorgio Baretta - Divulgação (2)

Obesidade está relacionada a 21 doenças e pode levar à morte

O número de cirurgias da obesidade tem crescido a cada ano no Brasil. Dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM) apontam que, em 2016, houve um aumento de 7,5%, se comparado a 2015. No ano passado foram efetuados 100.512 procedimentos para redução de estômago, número este que coloca o país na segunda posição no ranking dos que mais realizam a intervenção no mundo.

Diabetes tipo 2, apneia do sono, hipertensão arterial, dificuldade respiratória e doenças cardiovasculares são alguns dos problemas que acometem os obesos. “Atualmente, 21 patologias estão associadas à obesidade e podem levar à morte. A pessoa obesa tem risco maior de morte cardiovascular do que a população em geral e quanto mais ele espera pela cirurgia, maior a chance de complicações associadas, como quadros de hipertensão, enfarte e derrames. Por isso, não se trata de uma questão estética, mas sim de qualidade de vida”, alerta o médico Giorgio Baretta, especialista em cirurgia bariátrica do Hospital VITA.

Dr. Baretta explica que para realizar o procedimento o paciente passa por uma avaliação onde são analisados os perfis psicológico e alimentar e as doenças associadas à obesidade. “Somente após esse estudo é definida a técnica que será utilizada”, esclarece.

As cirurgias bariátricas estão divididas em três técnicas: restritivas, aquelas que reduzem a capacidade do estômago, ou seja, fazem o paciente comer menos, sem mexer no intestino, chamada de sleeve gástrico; disabsortivas, que realizam um desvio do intestino; e mistas que combinam a restrição, ou seja, a redução da capacidade gástrica com o desvio do intestino, denominada de bypass gástrico ou cirurgia de Capella, que ainda é a mais executada no Brasil, na qual o estômago fica com uma capacidade em torno de 50 ml e ocorre um desvio do intestino delgado em tono de 1,5 a 2 metros.

Aprovado para ser realizado no Brasil em 2010, o sleeve gástrico vem ganhando espaço. Nos Estados Unidos, quando comparado ao bypass, já é a técnica mais praticada devido a menor incidência de complicações e por não mexer no intestino. “É uma técnica associada a uma perda menor de peso e a ocorrência maior de reganho de peso após um ano e meio ou dois de realização do procedimento. Teoricamente é uma técnica mais agradável aos olhos do paciente por não precisar mexer do intestino e tomar menos vitaminas, só que o paciente tem que estar ciente que, na maioria das vezes, ele não vai conseguir ter uma perda de peso como a que acontece com o bypass”, alerta o médico.

Dr. Baretta explica também que a técnica é indicada para paciente “comedor de volume”, que é diferente daquele que é “beliscador”, e para aqueles que não têm doença do refluxo avançada. “Geralmente é realizada em homens, porque ao contrário da mulher, comem mais volume, e em pacientes que necessitam de uma monitorização endoscópica do estômago para o resto da vida (pessoas que têm casos de câncer gástrico na família) porque não exclui parte do estômago e desta forma não interfere na realização do exame de endoscopia” descreve.

Independe da técnica optada, o paciente recebe um acompanhamento multidisciplinar (psicológico, nutricional, cardiológico) antes e após o procedimento por tempo indeterminado. “Já com o cirurgião, indica-se um monitoramento para o resto da vida”, conclui Baretta.

Doenças relacionadas à obesidade: diabetes tipo 2, apneia do sono, hipertensão arterial, dislipidemia, doença coronária, osteo-artrites, doenças cardiovasculares (infarto do miocárdio, angina, insuficiência cardíaca congestiva, acidente vascular cerebral, hipertensão e fibrilação atrial, cardiomiopatia dilatada, cor pulmonale e síndrome de hipoventilação), asma grave não controlada, osteoartroses, hérnias discais, refluxo gastroesofageano com indicação cirúrgica, colecistopatia calculosa, pancreatites agudas de repetição, esteatose hepática, incontinência urinária de esforço na mulher, infertilidade masculina e feminina, disfunção erétil, síndrome dos ovários policísticos, veias varicosas e doença hemorroidária, hipertensão intracraniana idiopática, estigmatização social e depressão.

 

Sobre o Hospital VITA

A primeira unidade da Rede VITA no Paraná foi inaugurada em março de 1996, no Bairro Alto, e a segunda em dezembro de 2004, no Batel. O VITA foi o primeiro hospital brasileiro a conquistar, no início de 2008, a Acreditação Internacional Canadense CCHSA (Canadian Council on Health Services Accreditation). A certificação de serviços de saúde avalia a excelência em gestão e, principalmente, a assistência segura ao paciente. Além disso, o  VITA é um dos hospitais multiplicadores do Programa Brasileiro de Segurança do Paciente (PBSP). Ele visa disseminar e criar melhorias inovadoras de qualidade e segurança do paciente. Integra também o grupo de hospitais da Associação Nacional de Hospitais Privados – ANAHP.O VITA oferece atendimento 24 horas e é referência nas áreas de cardiologia, cirurgia geral, neurologia, cirurgia bariátrica, medicina de urgência, urologia, terapia intensiva, traumato-ortopedia e pediatria. Além disso, dispõe de um completo serviço de medicina esportiva, prestando atendimento a atletas de diversas modalidades; serviço de oncologia; Centro Médico e Centro de Diagnósticos. Para garantir um alto nível de qualidade nos serviços prestados aos pacientes, o VITA tem investido em ampliação da infraestrutura, tratamentos com equipes multidisciplinares, modernização dos equipamentos, humanização no atendimento, qualificação dos profissionais e segurança assistencial. www.hospitalvita.com.br

Fonte: Smart Com

Tags
Share

About Author

Redação Paraná Imprensa

Redação Paraná Imprensa

Conteúdo relacionado

0 comentários

Sem comentários no momento

Não existem comentários no momento, deseja publicar um?

Escrever um comentário

Escrever comentário


*

Elaine Belletti Willy Schumann João Baptista Herkenhoff
Sociedade Direito e Cidadania
     
Isabel Furini Carlos Zemek Werner Schumann
Entre livros e autores Arte e Cultura Berlinenses: o que acontece na capital alemã e na europa
     
Luiz Guilherme Jardim Júlio Ferraz Altenir Silva
Marketing Goles & Guloseimas #ficção-ponto-com
     
Yrit Sitnik